Participe do InfraFM Hospitais
 

Método de incorporação dos critérios ESG nos processos decisórios

Apesar de convergências, ainda não há consenso sobre o que priorizar nos critérios de ESG. Leia o segundo artigo da série "A corda bamba do ESG.

Por George Barcat

Método de incorporação do critérios ESG nos processos decisórios

Imagem: Canva.com/ Khaosai Wongnatthakan 


Os critérios ESG servem para orientar uma empresa na arte de avaliar as consequências (impactos positivos e negativos) de suas ações e inações sobre o meio ambiente, a sociedade e a própria empresa.

A avaliação deve ser arquitetada e concretizada de tal forma que os seus resultados sejam simultaneamente úteis para a própria empresa (definição de diretrizes, metas e práticas) e para seus stakeholders, em especial, acionistas, clientes e agentes financeiros.

Confira artigo anterior: Qual é a corda bamba do ESG?


Atualmente, existem centenas de frameworks ESG ; isto revela que, apesar de algumas convergências, ainda não há consenso sobre o que priorizar e tampouco sobre como avaliar o que está sendo feito.

É fácil ver que analisar tudo isso e decidir o que fazer é como caminhar em um denso e extenso cipoal sem ter um facão afiado. Pois bem, o método que apresentamos aqui foi concebido para ser este facão.

A seguir descrevemos os passos do método e, ainda que óbvio, reforçamos que eles devem ser conduzidos pela alta direção:
- O primeiro passo é reunir as diretrizes ambientais, sociais e de governança da empresa em uma única política, chamada, por exemplo, de Política de Desenvolvimento Sustentável.
- O segundo passo é escolher pelo menos dois ou três frameworks para criar uma Escala de Avaliação constituída de Índices e Indicadores que possibilitem a avaliação do cumprimento das Diretrizes a partir dos critérios ESG selecionados.  
    Esta Escala é a espinha dorsal do método e, no próximo artigo, daremos detalhes de sua estrutura e operação.
    Também mostraremos como ela possibilita que uma empresa efetue um único programa para integrar o ESG com o GRC (Governança, Risco e Compliance).

- O terceiro passo, é elaborar um questionário para realizar o 1º Ciclo de Medição dos Índices e Indicadores. 
- O quarto passo é avaliar os Índices e Indicadores a fim de verificar em que medida as diretrizes da Política de Desenvolvimento Sustentável estão sendo cumpridas. 
- O quinto passo é usar os resultados da avaliação para aperfeiçoar a Política e as Metas de Desenvolvimento Sustentável bem como as práticas destinadas a materializar tais diretrizes e metas. 
    Sendo assim, a Escala de Avaliação das ações de Desenvolvimento Sustentável funciona como um GPS, isto é, um Guidelines Positioning System.
- O sexto passo é distribuir os passos anteriores em um Ciclo PDCA do Processo Decisório do Conselho e da Diretoria.

Este método, além de propiciar a integração do ESG com o GRC, propicia:
- A organização holística de todos os indicadores da empresa, diminuindo o número de dashboards, BIs etc. e, também, de reuniões.
- A transformação do Relatório de Sustentabilidade em um artefato de desenvolvimento de estratégias e planejamentos, o que faz dele algo ainda mais importante do que um documento de prestação de contas.

Por fim, o método também inclui procedimentos e ferramentas, baseados na abordagem comportamental. Essa abordagem parte do seguinte princípio: os processos decisórios não são puramente lógicos e racionais, pois são intensamente afetados por fatores psicológicos, cognitivos e sociais, geralmente ocultos (ou varridos para debaixo do tapete): emoções, vieses, atalhos mentais, autointeresse, pressões etc. Falaremos sobre isso no quarto e último artigo desta série.


Veja também

Conteúdos que gostaríamos de sugerir para a sua leitura.

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Faça uma busca


Tendências de ESG em Hospitais

Mais lidas da semana

Operações

Cinco passos para humanizar a gestão de terceirizados

Wellington Idalino da Silva, coordenador de manutenção e professor de Facilities Management, explora benefícios da gestão mais estratégica e humanizada.

Workplace

Como Mercado Livre reinventou espaço de trabalho com conceito híbrido

Manager of Real Estate da empresa compartilha detalhes da reforma da Melicidade.

Operações

Método de incorporação dos critérios ESG nos processos decisórios

Apesar de convergências, ainda não há consenso sobre o que priorizar nos critérios de ESG. Leia o segundo artigo da série "A corda bamba do ESG.

Mercado

Conheça como a Toyota revoluciona área de Facilities Management

Nova Head de Facilities da multinacional fala sobre cases da carreira e novos desafios.

Sugestões da Redação

Revista InfraFM

Legado para os brasileiros e para o planeta

Diretor Executivo do Centro de Serviços Compartilhados da Globo compartilha insights sobre inovação.

Revista InfraFM

Center Norte investe em expansão, novas tecnologias e certificação ISO 41001

Em entrevista exclusiva, equipe de Facilities Management e de Projetos da Cidade Center Norte fala sobre desafios do processo de modernização.

Revista InfraFM

Por qual ângulo devemos enxergar as fazendas verticais?

Conceito chamou a atenção na metade da década passada, mas a empolgação vingou?

Revista InfraFM

Novo escritório da Sabesp aposta em espaços abertos e integrados

Saiba como o projeto atende novas demandas, com espaços para descompressão, reuniões rápidas e informais.

 
Dúvidas sobre os EVENTOS?
Fale com a nossa equipe pelo WhatsAPP