"São Paulo é uma máquina de geração de tempo perdido", afirma professora da USP

Entenda quais são os desafios para implementação de novos caminhos na capital paulista.

Por Natalia Gonçalves

"São Paulo é uma máquina de geração de tempo perdido", afirma professora da USP

Foto: Canva.com/ Paulo Pampolin


Desde 1977, a professora e doutora Andreina Nigriello estuda o tema de mobilidade urbana. Após 44 anos na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP), ela lançou um livro sobre as expansões tanto do sistema viário quanto do sistema de transporte de linhas da capital paulista. A obra “O desenho de São Paulo por seus caminhos” foi publicada pela editora KPMO Cultura e Arte em parceria com a Cultura Acadêmica, selo da Fundação Editora da Unesp. Em entrevista exclusiva à InfraFM, Nigriello fala sobre importância da discussão sobre mobilidade na capital paulista e desafios para mudanças. ​

Quais são os desafios para a implementação de novos caminhos em São Paulo?
Então, eu vou lembrar dos poucos recursos públicos que têm sido disponibilizados para o crescimento da rede estrutural de transporte. Quando eu falo isso, eu falo da rede de linhas de trem e de metrô, que são redes de linhas que têm maior capacidade para transportar a nossa população. Você sabe que eram 42 milhões de viagens por dia que, na pesquisa Origem e Destino de 2017, aconteciam em São Paulo. Dessas viagens, 15,3 milhões, portanto, 36,4% são realizados pelo transporte coletivo.

Com um volume tão grande de pessoas tomando condução todo dia, principalmente, para trabalhar, a gente precisa de linhas de trem e de metrô, né? O ônibus não dá conta. Então, infelizmente, o Estado não tem recursos ou não coloca, não tem a opção de colocar recursos públicos para o crescimento dessa rede. Embora ele tenha recursos, sim, para investir no crescimento do sistema viário, do sistema rodoviário, a fazer pontes, fazer túneis, mas não para fazer metrô.

Na página 199 do livro, tem um rodapé que fala sobre como esses poucos recursos públicos têm a ver com a expatriação sistemática de parte do excedente produzido no Brasil, que deixa, assim, de ser incorporado a reprodução ampliada das condições de produção. Ou seja, os grandes retornos de capital, do processo de produção que é feito aqui no Brasil, não fica aqui no Brasil, ele é mandado para fora. Em outros países, ele é reincorporado e cresce, o país cresce. No nosso caso, não.


Por que é importante falar sobre mobilidade? 
Porque se a gente tiver uma rede de transporte bem desenvolvida, a gente vai evitar que esses milhões de pessoas façam todos os dias viagens muito mais longas do que precisariam ser feitas.

A estrutura da nossa rede de transporte público, ela é radioconcêntrica, sabe? Tudo vai para o centro. Hoje em dia, nós temos um espaço construído fora do centro expandido, ou seja, fora dos limites do Rio Tietê e do Rio Pinheiros. Além disso, temos polos e a população mora e trabalha nessa área externa do centro expandido, mas não tem linhas que a levem para os polos da periferia. Assim, as viagens são feitas com um desenho feito em triângulo: elas vão da periferia para o centro, para depois do centro ir para outro lugar da periferia - por isso que essas viagens demoram tanto. 

A gente não tem linhas perimetrais de transporte. A gente não tem linhas de metrô, por exemplo, que vão de Guarulhos para o ABC, ou de Guarulhos para a Casa Verde, ou entre a Casa Verde e Osasco. E se a gente tiver essas linhas, o que vai acontecer? Nós vamos demorar menos tempo para viajar e teremos um valor do tempo maior. Nosso tempo vai valer mais, não vai valer pouco.

Desta forma, vai sobrar tempo para a gente estudar, comprar, ir ao médico - para a gente se cuidar. Portanto, nós vamos ter uma melhor qualidade de vida. Uma maior qualidade de vida, neste sentido, é o primeiro passo para ter uma melhor produtividade.

No livro, a senhora descreve São Paulo como uma máquina de tempo perdido. Por quê? 
Então, desses 15,3 milhões de pessoas que viajam por transporte coletivo, 93,5%, ou seja, 14,3 milhões são de uma população que tem renda de até oito salários-mínimos. Isso, em abril de 2018, correspondia a R$ 7.632 - um salário-mínimo naquela época era R$ 954. Esses são os dados daquele momento que foi feita a pesquisa.

Bom, você tem 14,3 milhões de pessoas que usam o transporte coletivo e essa população demora até 126 minutos para fazer seus deslocamentos. Como é que a gente pode se desenvolver se a nossa maior parte da população, pelo menos 14,3 milhões de pessoas, que viajam todo dia, acabam gastando tanto tempo para se deslocar? É uma trava no nosso desenvolvimento. Por isso, eu falo que São Paulo é uma máquina de produção de tempo perdido.

Por qual motivo a pauta de mobilidade, na sua opinião, não é discutida com mais frequência a partir da raiz do problema? 
O planejamento de transporte não envolve a população na discussão. Nós temos as decisões tomadas isoladamente pelas empresas que cuidam do setor do transporte. Então, cada empresa tem o seu espaço de planejamento, mas a gente não tem uma integração do planejamento nos diversos níveis. Afinal, são os usuários que sabem o tipo de transporte que é necessário, mas, infelizmente, essas decisões são isoladas e elas dão muito poder a quem está dirigindo essas empresas, mas não é uma discussão aberta ou pública.


Veja também

Conteúdos que gostaríamos de sugerir para a sua leitura.

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Faça uma busca

Mais lidas da semana

Operações

Como Centro de Distribuição da Unilever conquistou LEED Platinum

Confira quatro práticas da multinacional e garanta insights sobre gestão sustentável.

UrbanFM

"São Paulo é uma máquina de geração de tempo perdido", afirma professora da USP

Entenda quais são os desafios para implementação de novos caminhos na capital paulista.

Mercado

Brasil ultrapassa os 2,5 milhões de sistemas solares fotovoltaicos em casas

Inversores híbridos são os mais indicados para as regiões Norte e Nordeste

Carreira

David Douek fala sobre pioneirismo na construção sustentável brasileira

Empresário percebeu mudança no setor imobiliário ao final dos anos 2000. Confira entrevista exclusiva sobre construção de carreira, especializações em Green Buildings e práticas sustentáveis.

Sugestões da Redação

Revista InfraFM

Legado para os brasileiros e para o planeta

Diretor Executivo do Centro de Serviços Compartilhados da Globo compartilha insights sobre inovação.

Revista InfraFM

Center Norte investe em expansão, novas tecnologias e certificação ISO 41001

Em entrevista exclusiva, equipe de Facilities Management e de Projetos da Cidade Center Norte fala sobre desafios do processo de modernização.

Revista InfraFM

Por qual ângulo devemos enxergar as fazendas verticais?

Conceito chamou a atenção na metade da década passada, mas a empolgação vingou?

Revista InfraFM

Novo escritório da Sabesp aposta em espaços abertos e integrados

Saiba como o projeto atende novas demandas, com espaços para descompressão, reuniões rápidas e informais.

 
Dúvidas sobre os EVENTOS?
Fale com a nossa equipe pelo WhatsAPP