Sorteio Nespresso
 

Precisamos rever o conceito de "escritório"?

Mesa Redonda da MIllerKnoll discutiu o impacto do ambiente de trabalho no psicológico dos colaboradores.

Por Mateus Murozaki

Espaços para humanos: Design With Impact

Foto: Divulgação/MillerKnoll

Muitas são as questões que afetam o conceito de "escritório" hoje. No cenário pós-pandemia, de um cenário híbrido e com a forte presença da Geração Z, cada vez mais consciente e exigente em relação ao próprio ambiente de trabalho, como fazer com que este seja não só adequado para as tarefas necessárias, mas também motive os trabalhadores através do bem-estar.

Em 30 de janeiro de 2024, a MillerKnoll organizou uma mesa redonda voltada justamente para essa discussão. Estavam presentes os colaboradores Andrea Soria, Diretora de Estratégia de Ambiente de Trabalho para a América Latina e Caribe; Mario Espinosa, Vice-Presidente da empresa para a América Latina e Caribe e a psicóloga Myrt Thânia Cruz, Vice-Diretora da FEA/PUC-SP, com a mediação conduzida por Flavio Palauso, Gerente de Desenvolvimento de Negócios da companhia no Brasil.

Cruz aponta que as pessoas, do ponto de vista de saúde física e mental, necessitam de uma percepção clara e objetiva de que estão se sentindo bem, o que torna os ambientes em que habitam essenciais. Trata-se de uma sensação objetiva e não subjetiva, como se pode acreditar num primeiro momento.

Nessa busca, Soria apontou duas coisas como primordiais: o conforto, que, para ela, envolve acústica, iluminação natural e biofilia, e a felicidade, que, para ela, engloba a questão de pessoas introvertidas e extrovertidas. Enquanto um ambiente amplo e cheio de contato pode trazer conforto a um colaborador mais aberto, outro mais quieto pode se incomodar. Ela menciona algo presente no México, seu país natal, chamado "quiet spaces", espaços que simulam a dinâmica de uma biblioteca: todos juntos, mas ninguém faz ruídos altos ou conversa entre si excessivamente.

Outro tema presente foi o de conexão entre as pessoas e como é algo crucial em um ambiente de trabalho, principalmente numa era em que o trabalho remoto está se fortalecendo. Os participantes concordaram que o home office traz benefícios, mas não pode ser a única opção, pois não pode substituir o contato humano.

Espinosa comparou uma empresa a um organismo, com cada um de seus colaboradores representando células que vão absorvendo conhecimento um dos outros e, para que isso aconteça, os espaços devem ser pensados de forma a facilitar a socialização, ao mesmo tempo em que também devem prover espaços eficientes onde as pessoas possam realizar seus trabalhos após uma conversa ou um café.

A psicóloga apontou, inclusive, que após o digital, as pessoas estão mudando a forma de se relacionar, valorizando mais as relações que têm em ambientes compartilhados: "As pessoas estão mudando a sua forma de se relacionar em amizades, relacionamentos amorosos, relacionamentos no ambiente de trabalho e levando em consideração que o ambiente de trabalho é um dos lugares em que a pessoa passa mais tempo de vida. Portanto, é um lugar em que, provavelmente, você encontrará o amor da sua vida, e isso é muito, muito significativo."

Em suma, as lições a serem aprendidas giram em torno da verdade de que escritórios são projetados por e para seres humanos, logo, é essencial que se pense no "conceito" com um olhar mais caloroso. "Hoje, quem está tomando as decisões são o RH e os Facility Managers."

“Hoje, quem toma as decisões são o RH e os Facility Managers”

Andrea Soria

Em conversa com Andreia Soria, a profissional comentou sobre o papel do Facility Manager em meio à transformação dos espaços de trabalho que vem acontecendo. De acordo com ela, pelo fato de estarem sempre acompanhando o comportamento humano dos escritórios, eles são os que podem ter mais impacto dentro de uma empresa. Exemplifica com o fato de que os FM's sabem o que é e o que não é utilizado em um escritório. Assim, quando ideias de arquitetos ou da diretoria chegam, eles podem filtrar o que seria útil e o que seria um gasto leviano.

A profissional também falou sobre a importância do aprendizado orgânico, que costuma ser mais marcante por facilitar o entendimento do propósito por trás de cada informação sendo passada. Uma consequência da importância disso, de acordo com ela, é que cada vez mais temos salas de reuniões projetadas para trocas um a um, voltadas para a interação entre duas pessoas.

Por fim, quando questionada sobre a diferença entre escritórios no Brasil e no México, ela apontou que não viu muitas diferenças por não ter trabalhado tanto por aqui, mas a principal é que, no México, ela vê mais liberdade para utilizar os espaços, enquanto o Brasil parece um pouco mais restritivo nesse quesito. "Sabemos que o Brasil tem esse desafio de ter mais espaços de concentração individual dentro desses metros quadrados do que em outras partes da América Latina", explica.


Veja também

Conteúdos que gostaríamos de sugerir para a sua leitura.

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Faça uma busca


Visitas Técnicas esgotando

Mais lidas da semana

Operações

Do auxiliar de limpeza ao presidente: segurança é responsabilidade de todos

Para especialista, prevenção de incêndios é urgente e negligência pode ser explicada através dos três pilares da manutenção.

Outside Work

Livro para expandir horizontes do conhecimento e da imaginação em FM

E os malefícios da dedicação às redes sociais para a saúde

UrbanFM

O que mudou na gestão do Parque Ibirapuera?

Camila Praim, coordenadora de operações, fala sobre experiência na gestão do parque durante processo de concessão e de desterceirização.

Workplace

Qual o futuro dos escritórios?

Pesquisa indica pontos que serão tendência ao longo de 2024.

Sugestões da Redação

Revista InfraFM

A trajetória de Alex Martins e a sua atual posição na Brookfield Properties

Transformando visões em realidade, priorizando a sustentabilidade e inovação no coração da gestão imobiliária para manter o valor dos ativos.

Revista InfraFM

Integrando excelência médica e inovação em engenharia para a melhor experiência

Nesta entrevista com Walmor Brambilla, Gerente Executivo de Engenharia e Real Estate do HCOR, acompanhe os avanços e desafios da área na instituição de saúde.

Revista InfraFM

Onde estamos quando o assunto é cidades inteligentes no Brasil?

Compreenda o tema para além da parte "glamourizada" do conceito. Especialista fala sobre Workplace fora do espaço de trabalho, Urban Facilities Management e cidadania.

Revista InfraFM

Workplace é o primeiro passo para colaboradores se sentirem amados

Workplace é o primeiro passo para colaboradores se sentirem amados. Frase proferida por Thais Trentin, CEO e fundadora da Workplace Arquitetura Corporativa.

 
Dúvidas sobre os EVENTOS?
Fale com a nossa equipe pelo WhatsAPP