Participe do InfraFM Hospitais
 

O que está por trás da construção de um dos maiores parques solares de SP?

Complexo empresarial estima cobrir 30.000 m² dos telhados dos prédios com placas solares até 2030. Confira as estratégias do E-business Park para avançar na agenda ESG.

Por Natalia Gonçalves

O que está por trás da construção de um dos maiores parques solares de SP?

Foto: Divulgação


Com investimento de R$25 milhões, E-business Park avança na pauta de ESG. Desde a criação do complexo empresarial, há quase duas décadas, ele investe em estratégias de sustentabilidade, sendo o próximo passo a construção de um dos maiores parques solares da cidade de São Paulo. Segundo Sidney Angulo, diretor do empreendimento, a estimativa é cobrir 30.000m² dos telhados dos prédios, número que pode chegar a 50.000 m², até 2030.  

A meta do complexo empresarial é neutralizar 100% das emissões de carbono. Neste sentido, o executivo destaca outras práticas para a conquista da operação carbono zero, como a preservação e reflorestamento das áreas verdes, coleta seletiva de resíduos e compostagem de podas. “A ideia é poder oferecer ao nosso locatário, recursos para auxiliá-lo a atingir seus índices internos de ESG. Dessa forma, não apenas contribuímos para um ambiente mais saudável e sustentável, mas também atraímos locatários que compartilham desses valores”, afirma o diretor.

Qual foi o planejamento para a construção do parque solar? 

“O mercado de energia fotovoltaica no Brasil está em constante expansão, impulsionado por preços mais baixos de equipamentos, políticas governamentais de incentivo e a necessidade de revisão e diversificação da matriz energética”, observa Angulo. Para ele, devido à vasta extensão territorial do Brasil, a quantidade significativa de radiação solar e a redução dos custos das tecnologias associadas, os sistemas fotovoltaicos se tornaram mais acessíveis e atraentes para residências, usinas de grande escala e empresas.

Para realizar o planejamento da construção do parque solar, houve o envolvimento das áreas de arquitetura e engenharia, na parte técnica, e da diretoria como estratégia do negócio. “É uma tarefa complexa que envolve a consideração de diversos fatores para garantir o sucesso do projeto. Alguns dos principais fatores técnicos considerados para esse projeto incluem: localização, inclinação, reforços estruturais, regulamentações, análise ambiental, estudo de irradiação solar, design, operação e manutenção”, comenta o executivo.

De acordo com Angulo, uma das vantagens do sistema escolhido é que permite o monitoramento em tempo real da energia elétrica gerada, além de ser seguro em caso de falha. “Caso um ou mais painéis apresentem defeito, o sistema desliga somente uma parte do parque solar, e continua produzindo energia a partir do funcionamento do restante, diferentemente dos modelos tradicionais que desligam todo o sistema”, explica.


O que está por trás da construção de um dos maiores parques solares de SP?

Foto: Divulgação


Migração do mercado cativo para o mercado livre de energia 

Com o objetivo de reduzir os custos do empreendimento com energia elétrica, a equipe técnica do E-Business Park se debruçou sobre alternativas e estudos específicos do tema. “Até 2019, o mercado cativo de energia elétrica era a principal e mais comum referência. Para dar o primeiro passo de uma mudança, inicialmente, foi realizado um levantamento da demanda de energia elétrica do complexo desde 2012, com o intuito de reavaliar o contrato de demanda de energia do momento junto à concessionária”, lembra Angulo. 

Apenas com a gestão da fatura de energia elétrica no mercado cativo vigente, o trabalho resultou em uma economia de, aproximadamente, 3% em 2020. Ainda nesse período, foi realizada a migração para o mercado livre de energia elétrica. A estimativa era de 7% a 38% de economia, em 3,5 anos de período no mercado livre. Contudo, já no início de 2021 foi possível apurar as primeiras economias geradas pelo projeto de migração. 

Os resultados foram de 14,5%, 22% e 18% de economia em 2020, 2021 e 2022, respectivamente. Apesar da pandemia de Covid-19, o executivo ressalta que o empreendimento manteve a operação normal, com todos os cuidados recomendados, ainda que com fluxo de pessoas e atividades reduzidos.

Soluções para eficiência energética e hídrica

Para reduzir o uso de combustíveis fósseis no E-business Park, foram fechadas parcerias com empresas do setor automotivo para instalação de carregadores de veículos elétricos, assim como, houve a priorização do uso de veículos elétricos na frota interna. Os veículos, modelos similares a carrinhos de golfe, são utilizados atualmente para deslocamento de visitantes, da equipe de manutenção predial e para a coleta dos resíduos nos coletores e ecopontos espalhados pelo empreendimento. 

Além disso, foi realizado o retrofit da iluminação de todas as áreas comuns, contribuindo com as atividades de eficiência energética. A substituição de todas as lâmpadas e luminárias por LEDs foram realizadas nas áreas de estacionamentos, vias de circulação, centro de conveniências e restaurantes, áreas verdes e praças ao ar livre.

“Outro ponto de grande atenção desde a implantação do complexo empresarial é em relação ao consumo e eficiência hídrica”, enfatiza Angulo. No E-business Park, as águas das chuvas são captadas dos telhados, filtradas, cloradas, e direcionadas para uso nos vasos sanitários dos prédios, bem como para rega e limpeza das áreas comuns.

O que está por trás da construção de um dos maiores parques solares de SP?

Foto: Divulgação


Confira alternativas para otimização de recursos

Em 2019, o sistema de reuso do complexo empresarial foi expandido, tendo mais de seis reservatórios instalados, resultando no total 120 m³ de capacidade de reserva e por volta de 500 metros lineares de tubulações construídos. Ainda, conforme o diretor, todas as áreas verdes são irrigadas com a produção do sistema de reuso diariamente, com o auxílio de caminhões pipa próprios.

Outras práticas adotadas: 

- Renegociação do contrato de demanda firme junto à concessionária de água local;

- Instalação de arejadores (vazão de 1,8 L/min) nas pias das áreas comuns; 

- Substituição de dispensers de papel toalha por secadores elétricos; 

- Troca das tubulações antigas em ferro fundido; 
 
- Substituição de tubulações enterradas por tubulações em material plástico (PPR). 

A última prática, como ressalta Sidney Angulo, resultou na redução do consumo de água das áreas comuns em aproximadamente 1.000 m³ por mês e estabilizou a pressão da rede hidráulica. 


Veja também

Conteúdos que gostaríamos de sugerir para a sua leitura.
Altas temperaturas e baixos custos?

Saber escolher o melhor sistema de climatização pode reduzir os gastos e aumentar a eficiência da operação significantemente.

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Faça uma busca


Tendências de ESG em Hospitais

Mais lidas da semana

Operações

Cinco passos para humanizar a gestão de terceirizados

Wellington Idalino da Silva, coordenador de manutenção e professor de Facilities Management, explora benefícios da gestão mais estratégica e humanizada.

Workplace

Como Mercado Livre reinventou espaço de trabalho com conceito híbrido

Manager of Real Estate da empresa compartilha detalhes da reforma da Melicidade.

Operações

Método de incorporação dos critérios ESG nos processos decisórios

Apesar de convergências, ainda não há consenso sobre o que priorizar nos critérios de ESG. Leia o segundo artigo da série "A corda bamba do ESG.

Mercado

Conheça como a Toyota revoluciona área de Facilities Management

Nova Head de Facilities da multinacional fala sobre cases da carreira e novos desafios.

Sugestões da Redação

Revista InfraFM

Legado para os brasileiros e para o planeta

Diretor Executivo do Centro de Serviços Compartilhados da Globo compartilha insights sobre inovação.

Revista InfraFM

Center Norte investe em expansão, novas tecnologias e certificação ISO 41001

Em entrevista exclusiva, equipe de Facilities Management e de Projetos da Cidade Center Norte fala sobre desafios do processo de modernização.

Revista InfraFM

Por qual ângulo devemos enxergar as fazendas verticais?

Conceito chamou a atenção na metade da década passada, mas a empolgação vingou?

Revista InfraFM

Novo escritório da Sabesp aposta em espaços abertos e integrados

Saiba como o projeto atende novas demandas, com espaços para descompressão, reuniões rápidas e informais.

 
Dúvidas sobre os EVENTOS?
Fale com a nossa equipe pelo WhatsAPP