Infestações no ano mais quente da história

Com o calor intenso, o risco dos insetos de clima quente cresce exponencialmente.

Infestações no anon mais quente da história

Foto: Canva.com/auimeesri

A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos EUA compartilhou alguns dados no último mês em relação ao calor que vem atingindo não só o Brasil, mas o mundo. De acordo com a associação, setembro de 2023 foi o mês mais quente em 174 anos e, com isso, 2023 tem 99% de chances de fechar como o ano mais quente que se tem registro na história.

Dentre ações ambientais e de sustentabilidade que devem ser tomadas para mitigar o cada vez mais presente aquecimento global, existem também as consequências das altas temperaturas nas operações que não podem ser deixados de lado. Para além de uma boa climatização e acesso fácil à água e outras fontes de hidratação nessas condições, o que pode passar desapercebido nessas condições são as infestações de cupins.

Cupins são insetos de ambientes quentes e secos, o que torna sua propagação mais intensa nas épocas de calor. Com a previsão de que o El Niño siga pelos próximos meses, a probabilidade de um aumento nas infestações de cupins é grande.

Apesar de serem insetos que vivem primariamente em ambientes naturais, onde desempenham um papel fundamental no equilíbrio do ecossistema, em centros urbanos e plantações os cupins podem causar sérios problemas devido à seu apetite por materiais como madeira, celulose, papel, papelão e fibras vegetais. Em outras palavras, estruturas de madeira infestadas de cupins acabam danificadas de maneira permanente caso não sejam tomadas ações imediatas.

De acordo com Jeferson de Andrade, Desenvolvedor de Produtos de mercado da BASF: “Diversos estudos apontam que possivelmente os danos econômicos e ecológicos substanciais causados pelos cupins invasores aumentem em resposta às alterações climáticas e a urbanização”.

Prevenção e tratamento de infestação de cupins

O ideal é que ações de prevenção sejam tomadas antes mesmo do processo de edificação começar. Aplicação preventiva de inceticidas para afastar os insetos, assim como o uso de madeira tratada, envernizada ou com revestimentos protetores costumam deixar as estruturas menos atrativas para o consumo dos cupins.

Também é necessário que o manejo adequado de resíduos seja cumprido, evitando assim a criação de colônias. Para detectar o problema em seus estágios iniciais, telas protetoras e inspeções regulares são recomendadas. No caso da colônia já ter se instaurado, a forma mais eficaz é o uso de inseticidas. 

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Faça uma busca

Mais lidas da semana

Operações

Como Centro de Distribuição da Unilever conquistou LEED Platinum

Confira quatro práticas da multinacional e garanta insights sobre gestão sustentável.

UrbanFM

"São Paulo é uma máquina de geração de tempo perdido", afirma professora da USP

Entenda quais são os desafios para implementação de novos caminhos na capital paulista.

Mercado

Brasil ultrapassa os 2,5 milhões de sistemas solares fotovoltaicos em casas

Inversores híbridos são os mais indicados para as regiões Norte e Nordeste

Carreira

David Douek fala sobre pioneirismo na construção sustentável brasileira

Empresário percebeu mudança no setor imobiliário ao final dos anos 2000. Confira entrevista exclusiva sobre construção de carreira, especializações em Green Buildings e práticas sustentáveis.

Sugestões da Redação

Revista InfraFM

Legado para os brasileiros e para o planeta

Diretor Executivo do Centro de Serviços Compartilhados da Globo compartilha insights sobre inovação.

Revista InfraFM

Center Norte investe em expansão, novas tecnologias e certificação ISO 41001

Em entrevista exclusiva, equipe de Facilities Management e de Projetos da Cidade Center Norte fala sobre desafios do processo de modernização.

Revista InfraFM

Por qual ângulo devemos enxergar as fazendas verticais?

Conceito chamou a atenção na metade da década passada, mas a empolgação vingou?

Revista InfraFM

Novo escritório da Sabesp aposta em espaços abertos e integrados

Saiba como o projeto atende novas demandas, com espaços para descompressão, reuniões rápidas e informais.

 
Dúvidas sobre os EVENTOS?
Fale com a nossa equipe pelo WhatsAPP