eVTOLs: carros voadores em 2026, estamos prontos para decolar?

Carros voadores e os desafios da infraestrutura urbana para atender as operações a partir de 2026.

Por Léa Lobo

eVTOLs: Carros voadores em 2026, estamos prontos para decolar?

Foto: Divulgação

Embraer escolheu Taubaté, localizada a 142 km de São Paulo, para receber a primeira fábrica de ‘carros voadores’, oficialmente denominados como eVTOLs. Esta decisão baseou-se na localização estratégica da cidade, próximo à sede da Embraer em São José dos Campos. A escolha foi uma colaboração entre a Eve Air Mobility (controlada pela Embraer) e a Porsche Consulting, que juntaram expertises de indústria aeronáutica e automotiva. A fábrica estará em uma unidade já existente da Embraer, situada próximo a rodovias e uma linha ferroviária, facilitando a logística. A Embraer já tem encomendas que totalizam mais de US$ 8 bilhões em vendas desses veículos. Em parceria com a United Airlines, a Eve pretende operar transporte urbano com ‘carros voadores’ em São Francisco, EUA, a partir de 2026. Os ‘carros voadores’ são veículos 100% elétricos com alcance de 100 km, visando oferecer uma mobilidade aérea rápida, econômica e sustentável.

Em 20/06, a Eve Air Mobility e a Voar Aviation anunciaram a assinatura de uma Carta de Intenção para avaliar a venda de até 70 aeronaves elétricas de decolagem e pouso vertical (eVTOL) que serão operadas em diversas regiões do Brasil. Este acordo também inclui a análise de uma parceria onde a Voar aproveitaria as soluções de Mobilidade Aérea Urbana da Eve. A venda potencial dos eVTOLs já está considerada no backlog de pedidos da Eve, que é de até 2.770 veículos. A parceria visa revolucionar o transporte urbano no Brasil, com a Voar planejando operar em várias cidades metropolitanas e destinos turísticos. Ambas as empresas têm o objetivo de oferecer soluções inovadoras e sustentáveis para a mobilidade aérea urbana.

Infraestrutura para Vertiportos

Segundo estudos da espanhola Bluenest, estamos em um momento revolucionário na indústria da mobilidade, com novas tecnologias reformulando o modo como vivemos e viajamos. A mobilidade aérea avançada (AAM) surge como uma solução sustentável de transporte aéreo em ambientes urbanos e regionais, possibilitada por inovações tecnológicas e integrada a redes de transporte multimodal. A EASA, FAA e NASA enfatizam a importância da infraestrutura, como vertiportos, para essa revolução.

AAM engloba a mobilidade aérea urbana (UAM) e outras missões executadas com aeronaves elétricas. Enquanto UAM foca operações em áreas metropolitanas, ambas terminologias são usadas no contexto do documento. Cidades já estão testando potencialidades do AAM, com operações comerciais piloto esperadas para 2025. O sucesso requer uma abordagem tripla: hardware AAM, operações e serviços de apoio.

Um ecossistema emergirá com diferentes aeronaves, infraestrutura e regulamentações. A intermodalidade e interoperabilidade são cruciais para a integração bem-sucedida do AAM com os sistemas de transporte atuais. A tecnologia já existe, mas inovação e industrialização estão em andamento. A infraestrutura, como vertiportos, e regulamentos precisam ser desenvolvidos e ajustados.

Analisar a indústria de helicópteros é fundamental, pois compreender seus usos e limitações ajuda a adaptar o conceito de AAM. Atualmente, helipontos oferecem mobilidade em áreas urbanas. No entanto, existem limitações de design e operação. A localização de helipontos exige consideração de vários aspectos, como espaço aéreo, impacto acústico e ambiental. Para implementar o AAM com sucesso, os vertiportos devem considerar espaço, níveis de ruído, impacto ambiental e acessibilidade.

Enquanto a tecnologia para mobilidade aérea avançada está emergindo rapidamente, é crucial desenvolver a infraestrutura adequada, especialmente vertiportos, para permitir sua implementação eficaz e segura em ambientes urbanos e regionais. 
Do outro lado, a experiência do cliente em viagem em eVTOL deve ser intuitiva, agradável e eficiente. Vertiportos devem oferecer uma transição suave para os usuários e comodidades modernas. A acessibilidade é crucial.

Por fim, estamos à beira de uma revolução na mobilidade aérea urbana, com vertiportos sendo cruciais para o UAM. O desafio agora é a inovação, investimento e colaboração global. Com esforços conjuntos e condições favoráveis, redes UAM completas são esperadas até 2025.


Veja também

Conteúdos que gostaríamos de sugerir para a sua leitura.
O que não tem manutenção vira capex

Antonio Cociolito Netto, da Temon Serviços, destaca sua trajetória de sucesso na engenharia de manutenção e operação de sistemas prediais.

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Faça uma busca

Mais lidas da semana

Operações

Como Centro de Distribuição da Unilever conquistou LEED Platinum

Confira quatro práticas da multinacional e garanta insights sobre gestão sustentável.

UrbanFM

"São Paulo é uma máquina de geração de tempo perdido", afirma professora da USP

Entenda quais são os desafios para implementação de novos caminhos na capital paulista.

Mercado

Brasil ultrapassa os 2,5 milhões de sistemas solares fotovoltaicos em casas

Inversores híbridos são os mais indicados para as regiões Norte e Nordeste

Carreira

David Douek fala sobre pioneirismo na construção sustentável brasileira

Empresário percebeu mudança no setor imobiliário ao final dos anos 2000. Confira entrevista exclusiva sobre construção de carreira, especializações em Green Buildings e práticas sustentáveis.

Sugestões da Redação

Revista InfraFM

Legado para os brasileiros e para o planeta

Diretor Executivo do Centro de Serviços Compartilhados da Globo compartilha insights sobre inovação.

Revista InfraFM

Center Norte investe em expansão, novas tecnologias e certificação ISO 41001

Em entrevista exclusiva, equipe de Facilities Management e de Projetos da Cidade Center Norte fala sobre desafios do processo de modernização.

Revista InfraFM

Por qual ângulo devemos enxergar as fazendas verticais?

Conceito chamou a atenção na metade da década passada, mas a empolgação vingou?

Revista InfraFM

Novo escritório da Sabesp aposta em espaços abertos e integrados

Saiba como o projeto atende novas demandas, com espaços para descompressão, reuniões rápidas e informais.

 
Dúvidas sobre os EVENTOS?
Fale com a nossa equipe pelo WhatsAPP