Empresas se preocupam com risco de incêndio, mas faltam planos

home > Índice de Mundo Facility > Conteúdo

 

Empresas se preocupam com risco de incêndio, mas faltam planos

Notícia publicada em 17 de setembro de 2019

As empresas com operações no Brasil atribuem alta relevância a riscos de incêndio para suas operações, mas é pequeno o número das companhias que já conta com sistemas mais avançados de combate às chamas em suas instalações.

Os dados constam de pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos junto a empresas multinacionais e de capital nacional com mais de 250 funcionários a pedido do Instituto Sprinkler Brasil, entidade sem fins lucrativos que trabalha para disseminar a cultura de sistemas de prevenção e combate a incêndios no ambiente empresarial. Foram realizadas 300 entrevistas telefônicas com o responsável ou que participa diretamente na tomada de decisão de investimentos de sistemas prediais das empresas entre os dias 01 e 28 de maio com margem de erro de 5,7 p.p. em todas as regiões do Brasil.

Os dados do levantamento mostram que 77% das empresas consideram muito importante o risco de incêndio para seus negócios e que 82% dizem ter clareza do impacto que este tipo de ocorrência pode gerar para suas operações.

A pesquisa mostra ainda que 85% das companhias dizem levar em consideração as condições de prevenção a incêndio na hora de contratar um espaço (prédio ou galpão) para abrir unidades de produção ou distribuição.

O discurso, entretanto, não bate com a prática. O levantamento mostrou que das 300 empresas entrevistadas pelo Ipsos, apenas 36% contam com sprinklers (chuveirinhos automáticos para combate às chamas) em suas instalações.

O levantamento mostrou que apenas 14% das empresas entrevistadas dizem contar com sistema deste tipo em todas as suas unidades e 22% declararam contar com o sistema em apenas algumas unidades operacionais.

O uso de sprinklers é maior entre as multinacionais. 48% das empresas estrangeiras, com operações no país, ouvidas pelo levantamento, disseram ter sprinklers em suas operações. Entre as empresas nacionais, o índice é de 34%.

O porte também influi na decisão. O índice de uso sprinklers em empresas com mais de 500 funcionários é de 45%. Entre empresas menores, com 250 a 499 funcionários, o percentual é de 28%.

Gestão

"Os dados mostram que há sensibilidade para o tema, mas as empresas não estão de fato preparadas para enfrentar grandes incêndios, que podem afetar a viabilidade do negócio", diz Marcelo Lima, diretor-geral do Instituto Sprinkler Brasil.

As fragilidades não estão somente nas instalações. A pesquisa mostra que a gestão das empresas ainda não absorveu integralmente o risco de incêndio em seu planejamento estratégico. O levantamento mostrou, por exemplo, que apenas 54% das empresas entrevistadas afirmam categoricamente que contam com plano estruturado de retomada de negócios em caso de incêndio. O índice é de 51% entre as empresas de capital nacional e de 65% entre as empresas multinacionais.

O controle da cadeia de suprimentos também apresenta fragilidades. A pesquisa mostra que 57% das empresas afirmam categoricamente que solicitam planos de prevenção para seus parceiros de negócios e fornecedores de insumos. Neste caso, a prática e adotada de forma mais consistente (59%) entre as empresas de capital nacional que nas multinacionais (51%).

"A maioria das empresas não vivenciou um grande incêndio e isso torna o risco um pouco distante de sua realidade", avalia Lima. Segundo o levantamento, 30% das empresas (a minoria) disseram já ter sido afetadas por um incêndio em sua história. E destas, 46% disseram que o impacto foi baixo e 35% avaliaram como moderado. Apenas 16% dos respondentes disseram que a ocorrência prejudicou as operações e levou à interrupção do trabalho.

O levantamento Ipsos avaliou ainda o perfil de investimentos em sistemas de combate a incêndio nas empresas. De acordo com a pesquisa, 71% dos respondentes gastam exclusivamente o previsto em lei. Apenas 22% investem acima do exigido pelas autoridades. Entre as empresas brasileiras esse índice é de 19%. Entre as multinacionais, sujeitas a controles globais mais rígidos, 35% das empresas investem acima do que prevê a legislação brasileira de prevenção e combate a incêndio.

"O Brasil vem avançando em protocolos para este tipo de risco, mas ainda há deficiências na legislação. Isso explica o investimento maior das multinacionais, que têm que prestar contas aos controladores lá fora", avalia Lima.

A pesquisa detectou que relatos de grandes incêndios não são suficientes para mobilizar as empresas em torno da questão. Apenas 23% das companhias entrevistadas disseram pensar em investir ou em aumentar os recursos para sistemas de combate a incêndio após grandes ocorrências.

Compartimentação e selagem para prevenção

Em uma apresentação recente, realizada na sede do Ibape/SP, Camila Guello, firestop specialist da Hilti do Brasil, enfatizou a importância da compartimentação e selagem para prevenção e combate ao incêndio. "De modo geral o que a compartimentação faz é com que a fumaça fique concentrada no local onde ela se iniciou. A fumaça e o fogo não vão se espalhar. Isso é fundamental em ambientes como hospitais, por exemplo, porque você não tem o tempo de escape das pessoas como se fosse uma edificação comercial ou residencial em que as pessoas conseguem sair rapidamente pela rota de fuga".

O Ibape/SP lançou, inclusive, uma atualização da Cartilha de Prevenção e Combate ao Incêndio no seminário "Vistoria em Sistema de Proteção e Combate a Incêndio", realizado em agosto. O material traz orientações e cuidados para todos os tipos de imóveis e é um importante guia para proprietários, moradores, profissionais técnicos e administradores de condomínios.

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Aproveite para compartilhar conosco o que achou do teor deste conteúdo. Nossa equipe e o mercado querem ouvir a sua opinião. Vamos lá?

Faça uma busca

Acontece nos eventos

Sugestão da redação

Mundo Facility

Jardim Mecânico: o bairro sustentável que será erguido em Paris

Projeto de cinco hectares será construído na zona ferroviária Gare du Nord; obra deve ficar pronta em 2024

Mundo Facility

Cubo Itaú e Verzani & Sandrini anunciam parceria

Objetivo é estimular o desenvolvimento de soluções digitais, além de capacitar mais de 42 mil colaboradores

Mundo Facility

China quer novos negócios no mercado brasileiro de elevadores

"É fundamental trocar experiências, pois além de fornecer equipamentos, o País também investe em pesquisas e novas tecnologias"

Mundo Facility

Elissa Village: uma nova proposta de moradia para público sênior

Empreendimento localizado em Curitiba é exemplo de soluções bem pensadas em automação, acústica, piso, acessibilidade

Matérias líderes de audiência

Mundo Facility

Jardim Mecânico: o bairro sustentável que será erguido em Paris

Projeto de cinco hectares será construído na zona ferroviária Gare du Nord; obra deve ficar pronta em 2024

Mundo Facility

Cubo Itaú e Verzani & Sandrini anunciam parceria

Objetivo é estimular o desenvolvimento de soluções digitais, além de capacitar mais de 42 mil colaboradores

Mundo Facility

China quer novos negócios no mercado brasileiro de elevadores

"É fundamental trocar experiências, pois além de fornecer equipamentos, o País também investe em pesquisas e novas tecnologias"

Mundo Facility

Elissa Village: uma nova proposta de moradia para público sênior

Empreendimento localizado em Curitiba é exemplo de soluções bem pensadas em automação, acústica, piso, acessibilidade