Cinco falhas que as instituições cometem na proteção contra incêndios

home > Índice de Mundo Facility > Conteúdo

Klint e Furukawa: Datacenter confiável acelera transformação digital
 

Cinco falhas que as instituições cometem na proteção contra incêndios

Cumprir normas e regulamentos não garante uma estrutura de proteção adequada, diz especialista

Notícia publicada em 22 de abril de 2019

O recente incêndio na Catedral de Notre-Dame, na França, destruiu um  dos patrimônios culturais mais relevantes para a humanidade. No Brasil, instituições como o Museu da Língua Portuguesa, Teatro Ouro Verde, Instituto Butantan e Museu Nacional, entre outras, também sofreram incêndios e perdas irreparáveis. Mas essas instituições poderiam ter tomado medidas preventivas para evitar os incêndios?

De acordo com o Diretor Comercial da Johnson Controls, Eduardo Abel, a principal falha ao implementar medidas de proteção é focar nos custos, e não na qualidade. "Esse investimento, de fato, não traz retorno imediato. Mas, se estamos lidando com vidas e patrimônio, não há economia que compense as possíveis consequências de um acidente desse porte", alerta o executivo. "Cumprir normas e regulamentos não garante uma estrutura de proteção adequada. É preciso investir em produtos certificados, projetos bem elaborados, equipes bem treinadas e manutenção regular", completa.

André Friscio, especialista em soluções contra Incêndios da Johnson Controls, identificou os 5 principais pontos em que as instituições brasileiras cometem deslizes ao implementar projetos de proteção e combate a incêndios.

Projeto: é preciso investir em projetos que levem  em conta o tamanho, a operação e a estrutura do local. "A falta de planejamento é um erro comum. Não é difícil encontrar estabelecimentos obstruindo os equipamentos de proteção contra incêndios e dificultando  a utilização destes em um possível incêndio", explica Friscio.

Produtos adequados: produtos certificados internacionalmente passam por testes e sofrem adaptações constantes  para garantir mais segurança. "O problema é que poucas empresas e instituições escolhem os produtos certificados, por  conta dos preços mais altos", diz.

Treinamento: os melhores e mais modernos equipamentos do mercado não garantem a segurança.  Uma equipe bem treinada, que saiba utilizá-los corretamente, é crucial para obter os resultados em caso de incidentes. "Sabe-se, por exemplo, que o alarme de detecção da Notre-Dame disparou uma primeira vez e nenhuma medida foi tomada. Um técnico bem treinado possivelmente teria investigado mais", explica.

Legislação - de acordo com a empresa, a legislação brasileira vem sofrendo diversas mudanças para aumentar a proteção e as normas são atualizadas constantemente. Mas apenas cumprí-las não garante um alto nível de segurança à estrutura contra incêndios.

Cultura - Mesmo com tantos desastres,  a população não busca se informar sobre a segurança dos locais que frequentam. "É preciso evitar locais inseguros,  pedir orientações em caso de emergência e instalar sistemas de detecção nas residências. Estamos falando de vidas", conclui.

Além das orientações acima, Abel considera a tecnologia uma importante aliada. Instalações que priorizam a segurança em vez da redução de custos optam por sistemas de combate ou supressão automáticos, por exemplo. "No mercado, já existem tecnologias que podem regular o nível de oxigênio no ambiente de forma que as pessoas consigam respirar, mas um incêndio não possa se propagar", diz Abel.  "A responsabilidade continua sendo o fator mais importante", conclui.

Foto do destaque: Banco de Imagens Pixabay

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Aproveite para compartilhar conosco o que achou do teor deste conteúdo. Nossa equipe e o mercado querem ouvir a sua opinião. Vamos lá?

Faça uma busca

Acontece

Sugestão da redação

Mundo Facility

Por que me contratar?

Talentos para início imediato na área de Facilities Management - 2a. edição

Mundo Facility

Dossiê sobre o Home Office

IT'S Informov divulga estudo abrangente acerca da experiência das pessoas trabalhando em casa

Coronavírus e a jornada para cloud

Modelo permite o barateamento de recursos antes impensáveis

Sustentabilidade e o FM

Do ar condicionado ao sistema de transporte, dos produtos eletrônicos reciclados ao paisagismo. Confira as dicas de Natasha Gonda

Matérias líderes de audiência

Mundo Facility

Por que me contratar?

Talentos para início imediato na área de Facilities Management - 2a. edição

Mundo Facility

Dossiê sobre o Home Office

IT'S Informov divulga estudo abrangente acerca da experiência das pessoas trabalhando em casa

Coronavírus e a jornada para cloud

Modelo permite o barateamento de recursos antes impensáveis

Sustentabilidade e o FM

Do ar condicionado ao sistema de transporte, dos produtos eletrônicos reciclados ao paisagismo. Confira as dicas de Natasha Gonda