Por que o valor do IPTU e dos imóveis nunca baixará em São Paulo

home > Índice de Mundo Facility > Conteúdo

INFRA FM Training - Curso Online Potencial de Vendas em Facility Services
 

Por que o valor do IPTU e dos imóveis nunca baixará em São Paulo

Limitação da produção imobiliária é um dos motivos, segundo membro do Conselho Consultivo do Secovi

Embora, devido à pandemia da Covid-19, não haja aumento do IPTU este ano em São Paulo, é importante entender por que o imposto, cujos carnês começam a chegar às residências e empresas, é tão elevado na cidade. É de conhecimento geral que o escasso é caro. Ou seja, tudo que nos falta tem um valor muito maior do que aquilo que é disponível em abundância. Essa regra aplica-se indiscriminadamente, inclusive para os imóveis. Se a oferta de unidades habitacionais é farta, o seu preço tende a cair. O inverso é igualmente verdadeiro.

No Brasil, temos um déficit habitacional de aproximadamente sete milhões de unidades. No Estado de São Paulo, registra-se falta de 1,8 milhão de moradias e na Capital, 475 mil. É, portanto, razoável esperar que políticas públicas privilegiem a produção imobiliária de maneira intensiva e para todos, com o propósito de reduzir os preços.

Entretanto, não é o que temos visto, principalmente na capital paulista, onde os seguidos planos diretores têm restringido essa oferta. O último, de 2014, e seus disciplinamentos supervenientes vão na contramão do conceito de máxima utilização do solo, limitando coeficientes de aproveitamento, gabaritos e criando outras obrigações e restrições que, ao serem aplicadas aos novos projetos, resultam em empreendimentos subdimensionados e caros.

A legislação, ao limitar a produção imobiliária, vai perdendo, terreno a terreno incorporado e construído, a oportunidade de oferecer mais apartamentos, incluir mais pessoas, baratear os imóveis e diminuir os investimentos públicos em infraestrutura. E, o pior, impedindo a própria municipalidade de arrecadar mais. Explico: se num terreno, ao invés de oito andares, fosse possível fazer 20, seriam 12 unidades a mais contribuindo para o IPTU. Multiplique-se isso por centenas ou milhares de terrenos objeto de incorporações e teríamos criado enorme fonte de arrecadação e possibilidades de diminuirmos o valor do imposto de cada proprietário, devido ao maior número de contribuintes.

Entretanto, ao limitarmos o crescimento, estamos condenando a cidade, ano a ano, a concentrar a arrecadação municipal nos imóveis existentes e na subdimensionada produção imobiliária e constatar que o seu valor não deixará de subir. A conta é fácil: menos imóveis, menos unidades para ratear a conta total do IPTU.

É também interessante saber que legislações elitistas como a paulistana, ao impedir um aumento na produção imobiliária nas regiões centrais da cidade e o barateamento de unidades habitacionais, automaticamente convidam a um aumento nas ocupações de periferia, onde as pessoas conseguem imóveis mais em conta. Ocorre que os empregos não estão na periferia, mas sim no centro e bairros nobres, fazendo com que os deslocamentos diários aumentem consideravelmente, exigindo da municipalidade investimentos em infraestrutura, como abertura de novas vias, subsídio ao transporte público, investimentos em metrô e corredores de ônibus, entre outros modais.

Há, ainda, os impactos ambientais e sociais, como consumo de combustíveis, poluição sonora, do ar e estresse das pessoas em horas de deslocamento. E de onde sai o dinheiro para esses investimentos? Grande parte do IPTU. Então, quanto mais impedirmos a ocupação das regiões centrais de São Paulo, mais caros serão os imóveis nessas localidades e mais elevado será o IPTU para financiar investimentos necessários da prefeitura em regiões longínquas, onde inexiste qualquer infraestrutura ou presença do poder público.

Está na hora de repensarmos as normas de uso e ocupação do solo da cidade de São Paulo, para torná-las mais inclusiva. Sem essa providência, o IPTU e o preços de imóveis na capital nunca baixarão.

Luiz Augusto Pereira de Almeida é Diretor da Sobloco Construtora e membro do Conselho Consultivo do SECOVI

Foto: Divulgação

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Aproveite para compartilhar conosco o que achou do teor deste conteúdo. Nossa equipe e o mercado querem ouvir a sua opinião. Vamos lá?

Faça uma busca

Acontece

Sugestão da redação

Mundo Facility

UTI Pediátrica da Santa Casa de São Paulo ganha revitalização

Reforma foi entregue com equipamentos de última geração e novos leitos

Mundo Facility

Tendência de mais projetos em infraestrutura indica urgência de transformação digital

Otimização na operação de ativos e maximização do retorno CAPEX estão entre as prioridades do momento, segundo pesquisa da Deloitte

Mundo Facility

Robôs colaborativos já são realidade na Indústria 4.0

Instalação dos chamados 'cobots' cresceu 11%; pandemia é citada como catalisador para acelerar o investimento em automação

Mundo Facility

Protocolos sanitários em empresas tiveram aumento de 40% e devem continuar em 2021

Instituições buscam consultorias especializadas para estruturar ambiente de trabalho mais seguro

Matérias líderes de audiência

Mundo Facility

UTI Pediátrica da Santa Casa de São Paulo ganha revitalização

Reforma foi entregue com equipamentos de última geração e novos leitos

Mundo Facility

Tendência de mais projetos em infraestrutura indica urgência de transformação digital

Otimização na operação de ativos e maximização do retorno CAPEX estão entre as prioridades do momento, segundo pesquisa da Deloitte

Mundo Facility

Robôs colaborativos já são realidade na Indústria 4.0

Instalação dos chamados 'cobots' cresceu 11%; pandemia é citada como catalisador para acelerar o investimento em automação

Mundo Facility

Protocolos sanitários em empresas tiveram aumento de 40% e devem continuar em 2021

Instituições buscam consultorias especializadas para estruturar ambiente de trabalho mais seguro