Sucesso do trabalho remoto deve mudar o rumo das ocupações

home > Índice de Mundo Facility > Conteúdo

Klint e Furukawa: Datacenter confiável acelera transformação digital
 

Sucesso do trabalho remoto deve mudar o rumo das ocupações

É o que aponta pesquisa da Cushman & Wakefield; conheça o conceito Six Feet Office e o Guia de Prontidão para Retomada


Ampliação de políticas de home office e menor espaço físico dos escritórios. Assim deve ser o novo normal das ocupações nas empresas após o período de quarentena, segundo pesquisa da consultoria Cushman & Wakefield.

A avaliação do home office é positiva

Dos entrevistados, cerca de um quarto (25,4%) classificou como totalmente positiva a experiência do home office, enquanto 59% afirmaram que existem mais pontos positivos do que negativos. Somente 2,5% dos entrevistados afirmaram que é totalmente negativo, enquanto 13,1% declararam que há mais pontos negativos do que positivos.

Empresas pretendem adotar modelo de forma definitiva

O número de empresas que pretende adotar, manter ou ampliar políticas para home office como algo definitivo é amplamente superior. Somadas as empresas que já adotavam o modelo totalmente (4,9%) com aquelas que adotavam parcialmente (28,7%) e também com as que não adotavam, mas passaram a usar o modelo durante a quarentena (40,2%), o índice de empresas que pretendem adotar o home office como algo definitivo chega a 73,8%. Por outro lado, uma parcela de 26,2% não pretende adotar.

Modelo home office era pouco adotado antes da quarentena

O percentual de empresas que deseja adotar o modelo de trabalho remoto chama a atenção, uma vez que, das empresas ouvidas na pesquisa, 42,6% nunca haviam adotado antes da quarentena e sequer imaginavam essa possibilidade, 23,8% afirmaram que o home office era algo em estudo, mas não definido. Das que afirmaram que já adotavam o modelo, 26,2% o faziam de forma parcial e somente para alguns cargos e dias da semana, enquanto uma minoria (7,4%) declarou que a empresa adotava o modelo de forma mais abrangente, incluindo diversos cargos e em dias variados da semana.

Tendência de menor adensamento dos escritórios

A adoção do home office está ligada a um movimento de redução ou remodelação de espaço de trabalho no futuro. De acordo com a pesquisa da Cushman & Wakefield, 29,5% dos tomadores de decisão afirmaram que a empresa deve reduzir o espaço físico no futuro por conta do sucesso do home Office e outros 15,6% apontaram a redução como conseqüência de questões econômicas relacionadas à pandemia. Uma grande parcela afirmou ainda não ser possível definir, 35,2%, enquanto 19,7% cravaram que não haverá redução de espaço físico no futuro.

Dentre os que responderam que a empresa pretende reduzir o espaço físico, o percentual de redução mais apontado foi entre 10% a 30%.

"O que notamos mais fortemente como tendência futura é o menor adensamento de pessoas nos escritórios. Isto é, as pessoas devem trabalhar de forma a se respeitar o distanciamento social, não somente pelo risco de contaminação pelo COVID-19, mas também pela segurança de todos em casos similares. Portanto, a tendência é de que as empresas que adotarem o home office como novo modelo de ocupação precisarão do mesmo espaço - hoje alugado - para acomodar os funcionários que continuarão trabalhando nos dias sugeridos dentro do escritório com mais espaços, dentro do conceito Six Feet Office", afirma Natália Pozzani, Head de Marketing da Cushman & Wakefield.

Conceito Six Feet Office

A Cushman & Wakefield já tem adotado em outros países o conceito Six Feet Office e trabalhado com o Guia de Prontidão para Retomada (Recovery Rediness), que destacam os diversos pontos essenciais para a adequação do espaço e o retorno seguro aos escritórios. O conceito Six Feet Office se baseia nos seguintes elementos:

1. Visualização rápida dos 6 pés (1,82m): uma análise concisa, mas completa, do ambiente de trabalho atual no campo da segurança sanitária e de saúde e de outras oportunidades de melhoria.

2. Regras dos 6 pés: um conjunto de regras de conduta e acordos viáveis simples e claros que priorizam a segurança de todos.

3. Rota de 6 pés: uma rota exclusiva e bem definida visualmente para cada escritório, tornando os fluxos de tráfego completamente seguros.

4. Estação de trabalho de 6 pés:  um espaço de trabalho adaptado e totalmente equipado no qual o usuário possa trabalhar com segurança.

5. Instalações de 6 pés: um funcionário treinado que assessora e garante a operacionalidade de um ambiente ideal e seguro em todas as instalações.

6. Certificado dos 6 pés: um certificado atestando que foram tomadas as medidas para implementar um ambiente de trabalho seguro e livre do vírus.

Dentro de cada pilar há políticas, métodos e protocolos que as empresas poderiam seguir para que tenham um escritório seguro e funcional para todos os colaboradores.

"Essas novas diretrizes são importantes diretórios para que os empresários possam se preparar com eficiência para um retorno seguro e para que os próprios colaboradores possam se policiar em relação a esses novos hábitos, afinal, nada será como antes após a pandemia. Espaços colaborativos, por exemplo, que estavam em alta entre as grandes companhias, serão praticamente descartados nesse momento", acrescenta Jadson Andrade, Head de Market Research da Cushman & Wakefield.

Impacto em projetos de locação e obra de um novo escritório

A pesquisa buscou saber o impacto da quarentena em termos de interrupção de projetos de locação e/ou obra de novo escritório. Dos entrevistados, 12,3% afirmaram que houve interrupção devido à adoção da política de home Office e 17,2% também disseram que sim, mas por outros motivos. Na outra ponta, 14,8% dos tomadores de decisão garantiram que não houve interrupção e que o plano de locação e/ou obra se mantém, enquanto a maior parcela (55,7%) afirmou não ter interrompido pelo fato de que não havia plano de locação e/ou reforma previsto. Entre as empresas que mantiveram o plano de locação/obra, o percentual de expansão mais apontado foi o de 10% a 40%. 

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Aproveite para compartilhar conosco o que achou do teor deste conteúdo. Nossa equipe e o mercado querem ouvir a sua opinião. Vamos lá?

Faça uma busca

Acontece

Sugestão da redação

Mundo Facility

Petros adota home office ´híbrido´ e decide mudar de sede para economizar R$ 3,1 milhões

Redução do custo administrativo está relacionado a despesas de manutenção e reformas estruturais

Mundo Facility

Construtora Linc conclui obra do complexo Grupo NotreDame Intermédica

Hospital Intermédica ABC contou com a expertise da empresa para trocar padrão antigo de acabamento por novo conceito do Grupo

Mundo Facility

Novo escritório da Lufthansa no Brasil une conforto com modernidade

Aiê Tombolato, Fábio Frutuoso, Glauco Vitor Dias e Renato Mendonça se uniram para desenvolver conceito inovador longe do literal e do óbvio

Matérias líderes de audiência

Mundo Facility

Petros adota home office ´híbrido´ e decide mudar de sede para economizar R$ 3,1 milhões

Redução do custo administrativo está relacionado a despesas de manutenção e reformas estruturais

Mundo Facility

Construtora Linc conclui obra do complexo Grupo NotreDame Intermédica

Hospital Intermédica ABC contou com a expertise da empresa para trocar padrão antigo de acabamento por novo conceito do Grupo

Mundo Facility

Novo escritório da Lufthansa no Brasil une conforto com modernidade

Aiê Tombolato, Fábio Frutuoso, Glauco Vitor Dias e Renato Mendonça se uniram para desenvolver conceito inovador longe do literal e do óbvio