Mercado imobiliário carioca dá sinais positivos, segundo pesquisa C&W

home > Índice de Mundo Facility > Conteúdo

Klint e Furukawa: Datacenter confiável acelera transformação digital
 

Mercado imobiliário carioca dá sinais positivos, segundo pesquisa C&W

Confira relatório completo que também abrange São Paulo e mercado industrial brasileiro

Segundo o relatório MarketBeat da Cushman & Wakefield mais recente, referente ao T4 2019, após um forte 2018, com a maior absorção líquida registrada nos últimos 5 anos (201,7 mil m²), o indicador terminou 2019 com resultados mornos (109,2 mil m²). Em parte, devido ao aumento no preço pedido e diminuição de oferta de prédios classe A e A+ nas regiões CBD, em parte devido a grandes ocupações que foram adiadas para 2020. Vale ressaltar que o quarto trimestre foi responsável por 50,8% da absorção líquida do ano - 55,4 mil m². Entre as regiões CBD, três se destacaram em 2019: JK, com grandes ocupações de empresas de tecnologia e instituições financeiras, apresentou uma absorção líquida anual de 30,3 mil m²; Chácara Santo Antônio, que embora ainda registre resultados distantes dos de regiões prime, entrou nessa lista em consequência das grandes locações ocorridas no edifício 17007 Nações: Torre Sigma - destaque para a ocupação de 21,7 mil m² da Nestlé; e por último a Faria Lima, centro do mercado financeiro paulista, registrou uma absorção líquida de 22,5 mil m².

Preço pedido médio estabiliza

Mesmo com o resultado menos expressivo da absorção líquida, 2019 foi o ano das regiões prime, com grandes locações em prédios importantes da cidade e com alto preço pedido. Em consequência disso o preço pedido não se recuperou da forte queda sofrida em 2018 e permaneceu estável (R$89,84; +R$0,25 ao ano). Seguindo essa tendência podemos destacar a região do JK, que registrou a maior absorção líquida e terminou o ano com 1,4% de vacância - a menor vacância da cidade. Essas locações foram concentradas nos edifícios mais caros da região, fazendo com que seu preço pedido caísse R$17,46, chegando a R$110,21. Na contra mão desse movimento, as regiões da Faria Lima e Paulista apresentaram forte aumento no preço pedido (+14,3% e +5,5% ao ano, respectivamente), em grande parte devido as instituições financeiras e empresas de tecnologia, que tem clara preferência por essas regiões, aumentando a demanda e estimulando o aumento no preço pedido.

Panorama de Mercado: otimismo

Otimismo foi a palavra que regeu 2019. Com a mudança no cenário político interno e ligeira recuperação econômica, as empresas e investidores retomaram sua confiança no país e realizaram grandes locações na região CBD de São Paulo, resultando em uma queda de 2,6p.p. (ao ano) na taxa de vacância das classes A e A+, que fechou o ano com o menor valor desde 2013 - 18,9%. Em consequência das absorções descritas anteriormente, os mercados que apresentaram maior queda na taxa de vacância foram Chácara Santo Antônio (-10,5p.p.) e JK (-8,9p.p.). Outro destaque foi Pinheiros, muito procurada por startups e empresas de tecnologia, além de possuir um baixo estoque em comparação a outras regiões. A região apresentou uma queda de 6p.p. na taxa de vacância, chegando a 7,4% e se tornando uma das poucas da cidade com vacância de 1 digito.

Pipeline: reflexo da crise econômica

Apesar da retomada na confiança, a desaceleração na quantidade de obras em anos anteriores impactou o resultado do novo estoque em 2019. Nesse ano foi registrado o menor volume de novo estoque de toda a série histórica, recebendo apenas 2 empreendimentos de classe A e A+. O TEK, na região da Marginal Pinheiros, e o Safra Paulista, na Paulista, que juntos possuem 32,6 mil m². Ademais, era prevista a entrega de outros dois edifícios que estão com atraso na documentação. Por outro lado, esses os dois prédios que eram previstos para dezembro de 2019 (Seculum II e Complexo Centenário) vão impulsionar as entregas em 2020, que tem a previsão de receber 112,6 mil m² de edifícios classe A e A+ na região CBD. Os edifícios a serem entregues são: Birmann 32, Cidade Matarazzo, Estaiada Corporate e Safra Frei Caneca.

Volume de locações

O gráfico acima mostra a concentração de transações nas regiões nobres como a Faria Lima (13,4 mil m²) e JK (6,2 mil m²). Regiões com alta atividade construtiva, como Chucri Zaidan e Chác. Sto. Antônio receberam muitos inquilinos devido a grande porção de área vaga que existe nessas regiões. Empresas de atividades financeiras e seguros corresponderam a 27% de toda a área locada do 2019Q4.

Transações

O mapa de calor é baseado no número de transações ao longo do quarto trimestre de 2019. As regiões nobres mantiveram alta atividade locativa no último trimestre do ano, principalmente no entorno das avenidas JK e Faria Lima. Paulista também apresentou bons resultados ao longo do trimestre, o que pode ajudar a derrubar a taxa de vacância para menos de 10% em 2020.

MERCADO DO RIO DE JANEIRO

Maior absorção líquida desde 2013

O mercado CBD de classes A e A+ do Rio de Janeiro teve, em 2019, a melhor absorção líquida desde 2013. Fechou o ano com 88,9 mil m² absorvidos. Em comparação ao final do ano passado, o valor foi quase quatro vezes maior, uma vez que terminou 2018 com apenas 21,2 mil m² absorvidos. Essa absorção veio majoritariamente da região do Porto, com 61,1 mil m², seguido do Centro, com 26,7 mil m². O crescimento da região do Porto do ano atual em relação ao ano passado foi de aproximadamente oito vezes enquanto a região central, terminou o ano de 2018 com uma absorção líquida negativa de aproximadamente 11 mil m². Grandes responsáveis pela absorção do Centro foram a Caixa e a Stone que ocuparam juntas 7,5 mil m² no Passeio Corporate - Torre B apenas no mês de outubro. Na região do Porto, vale destacar neste ano a ocupação da Amil no edifício Vista Guanabara, ultrapassando 14 mil m².

Preço Pedido Médio diminui

O preço médio pedido no Rio de Janeiro apresenta uma queda desde o primeiro trimestre de 2018, principalmente por conta da alta taxa de vacância na cidade. Esse cenário, portanto, tende a favorecer os inquilinos, uma vez que têm o poder de negociação e podem optar por melhores edifícios e regiões. O preço médio pedido no Rio de Janeiro para classes A e A+ no mercado CBD retraiu 0,39% no quarto trimestre em comparação ao anterior, chegando ao valor de R$ 95,11. Comparando com o final do ano passado, a retração foi de 6,75%, onde o preço atingia R$ 101,99. Em uma série histórica desde 2005, o ano que teve o preço pedido mais alto foi 2011, onde fechou com R$ 161,50. A instabilidade econômica do país e a alta taxa de vacância na cidade tendem a levar os preços para baixo a médio prazo, a não ser que a economia mostre sinais de recuperação no mercado.

Panorama do mercado

No Rio de Janeiro, o mercado corporativo está apresentando sinais positivos de uma melhora no cenário de Offices classes A e A+. A absorção líquida no ano de 2019 foi a maior desde 2013 e a taxa de vacância foi a menor desde o terceiro trimestre de 2016. A região da Zona Sul é a que atualmente apresenta a menor taxa de vacância: 16,49%, tendo terminado o ano de 2018 com 29,13%. A Orla vem logo em seguida, com uma taxa de vacância de 19,80% no final de 2019 contra 24,75% no mesmo período do ano passado. Porém, apesar dos sinais de melhora na cidade, o mercado sofre ainda com uma alta taxa de vacância na região CBD: 34,29%, tendendo a manter o movimento "flight to quality", uma vez que o cenário econômico ainda passa por um período de recessão e há uma alta oferta de espaços na cidade esperando os primeiros sinais de recuperação para serem absorvidos. Este movimento implica em edifícios classes A e A+ oferecerem descontos e carências e valores de aluguel mais atrativos do que os de classes B e C, tornando-o mais competitivo.

Pipeline

Recentemente, o Rio de Janeiro apresentou um aumento "flight to quality" na demanda por espaços corporativos, enquanto não era otimista no final de 2013 - quando a vacância era de 8,57% e atingiu 34,29% ao final de 2019. Isso pode ser explicado pelo cenário econômico desfavorável e o crescimento desacelerado de óleo e gás pelo qual o país passa. Ainda, pelo fato da baixa demanda atual, muitos projetos foram adiados ou cancelados. Dito isso, não há previsão de entrega de novos empreendimentos de padrão A e A+ para 2020 no Rio de Janeiro.

Volume de locações

As locações continuam acontecendo nas regiões do Porto e no Centro, impulsionadas pelos cash allowances e períodos de carência dados pelos proprietários. Por outro lado, a última locação registrada na Zona Sul foi no primeiro trimestre de 2019.

Transações

O mercado de classes A e A+ da região CBD no Rio de Janeiro teve um resultado positivo em relação a ocupação e queda na taxa de vacância no quarto trimestre de 2019. As regiões que mais contribuíram para esse crescimento foram Centro, com aproximadamente 14,1 mil m² de locações, sendo a Allianz Seguros responsável por aproximadamente 8 mil m², no edifício Ventura - Torre Leste, seguido pela Orla, com mais de 6 mil m² de locações.

CLIQUE AQUI para acessar a pesquisa completa que contempla o mercado corporativo paulista, carioca e industrial brasileiro.

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Envie os nossos conteúdos por e-mail. Utilize o formulário abaixo e compartilhe os link deste conteúdo com outros profissionais. Aproveite e escreve uma mensagem bacana.

Aproveite para compartilhar conosco o que achou do teor deste conteúdo. Nossa equipe e o mercado querem ouvir a sua opinião. Vamos lá?

Faça uma busca

Acontece

Sugestão da redação

Mundo Facility

Petros adota home office ´híbrido´ e decide mudar de sede para economizar R$ 3,1 milhões

Redução do custo administrativo está relacionado a despesas de manutenção e reformas estruturais

Mundo Facility

Construtora Linc conclui obra do complexo Grupo NotreDame Intermédica

Hospital Intermédica ABC contou com a expertise da empresa para trocar padrão antigo de acabamento por novo conceito do Grupo

Mundo Facility

Novo escritório da Lufthansa no Brasil une conforto com modernidade

Aiê Tombolato, Fábio Frutuoso, Glauco Vitor Dias e Renato Mendonça se uniram para desenvolver conceito inovador longe do literal e do óbvio

Matérias líderes de audiência

Mundo Facility

Petros adota home office ´híbrido´ e decide mudar de sede para economizar R$ 3,1 milhões

Redução do custo administrativo está relacionado a despesas de manutenção e reformas estruturais

Mundo Facility

Construtora Linc conclui obra do complexo Grupo NotreDame Intermédica

Hospital Intermédica ABC contou com a expertise da empresa para trocar padrão antigo de acabamento por novo conceito do Grupo

Mundo Facility

Novo escritório da Lufthansa no Brasil une conforto com modernidade

Aiê Tombolato, Fábio Frutuoso, Glauco Vitor Dias e Renato Mendonça se uniram para desenvolver conceito inovador longe do literal e do óbvio